Classificações de Paratletas

ParaThumb (2)

O primeiro tipo de classificação para pessoas com deficiência física foi desenvolvido ainda no início do esporte para deficientes, na Inglaterra, em 1944, por meio de médicos e especialistas da área de reabilitação.

Com o número crescente de atletas, a melhora considerável do desempenho e os avanços tecnológicos, muitas modificações têm sido feitas na tentativa de realinhar o esporte de alto rendimento para deficientes a uma classificação que acompanhe essa evolução.

Conceitualmente, a classificação utilizada hoje na prática do desporto adaptado constitui-se em um fator de nivelamento entre os aspectos da capacidade física e competitiva, colocando as deficiências semelhantes em um grupo determinado. Isso permite oportunizar a competição entre indivíduos com várias sequelas de deficiência, pois o sistema de classificação eficiente é o pré-requisito para uma competição mais equiparada.

O Comitê Paralímpico Internacional reconhece cinco categorias de deficiência para a participação em competições do IPC: paralisados cerebrais, deficientes visuais, atletas em cadeira de rodas.

No Brasil

O método foi utilizado pela primeira vez em 1984, no campeonato de basquete de rodas (ABRADECAR). Na década de 1990, com a introdução da classificação funcional no basquete, também foram propostas mudanças no atletismo.

Como funciona a classificação
Cada esporte determina o próprio sistema de classificação, baseado nas habilidades funcionais, identificando as áreas chaves que afetam o desempenho para o desempenho básica do esporte escolhido. A habilidade funcional necessária independe do nível de habilidade ou do treinamento adquirido. Um atleta que compete em mais de um esporte recebe uma classificação diferenciada para cada modalidade.

A equipe de classificação pode ser composta por três profissionais da área de saúde: médico, fisioterapeuta e um professor de educação física. A classificação é realizada em três estágios: médico, funcional e técnico.

Avaliação médica
Na parte médica é feito um exame físico para verificar exatamente a patologia do atleta, bem como sua inabilidade que afeta a função muscular necessária para um determinado movimento. As informações são descritas em fichas apropriadas e arquivadas no banco de dados do CPB.

Avaliação funcional

Na avaliação funcional são realizados testes de força muscular, de amplitude de movimento articular, de mensuração de membros e de coordenação motora, evidenciando os resíduos musculares utilizados para o desempenho na prova.

Avaliação técnica
Por último, vem a avaliação técnica, que consiste na demonstração da prova realizada utilizando as adaptações necessárias. São observados os grupos musculares na realização do movimento, a técnica e a prótese e a órtese utilizadas.

Durante a competição, os classificadores poderão continuar observando os atletas. O objetivo é analisar todos os aspectos possíveis. O classificador poderá monitorar uma classificação durante vários eventos.

O Movimento Paraolímpico oferece oportunidades esportivas para atletas que têm uma incapacidade primária que pertence a um dos seguintes 10 tipos de incapacidade “elegíveis”:

• Potência muscular prejudicada
As deficiências nesta categoria têm em comum que existe força reduzida gerada pela contração de um músculo ou grupos musculares (por exemplo, músculos de um membro, um lado do corpo, a metade inferior do corpo). Exemplos de condições incluídas nesta categoria são para e tetraplegia, distrofia muscular, pós-poliomielite, espinha bífida.

• Amplitude passiva de movimento diminuída
Gama de movimento de um ou mais conjunto é reduzida de maneira sistemática. Note-se que a hipermobilidade das articulações, a instabilidade articular (por exemplo, luxação do ombro), e condições agudas de reduzida amplitude de movimento (por exemplo, tipos de artrite de incapacidade) normalmente serão excluídos como ‘ incapacidade elegível’.

• Deficiência Limb
Há uma ausência total ou parcial dos ossos ou articulações, como consequência do trauma (por exemplo, a amputação traumática), doença (por exemplo, câncer ósseo) ou deficiência congênita do membro (por exemplo, dismelia).

• Diferença de comprimento Leg
Devido à deficiência congênita ou trauma, encurtamento ósseo ocorre em uma perna.

• A baixa estatura

Altura em pé é reduzida devido às dimensões aberrantes de ossos de membros ou tronco superior e inferior (por exemplo, achondoplasia).

• Hipertonia
Uma condição caracterizada por um aumento anormal da tensão muscular e uma reduzida capacidade de um músculo para esticar. Hipertonia pode resultar de lesão, doença ou condições que envolvem danos no sistema nervoso central. Quando a lesão ocorre em crianças com idade inferior a dois anos, o termo paralisia cerebral é frequentemente utilizado, mas também pode ser devida a lesão cerebral (por exemplo, acidente vascular cerebral, trauma) ou esclerose múltipla.

• Ataxia
Ataxia é um sinal e sintoma neurológico que consiste de uma falta de coordenação dos movimentos musculares. Quando a lesão ocorre em crianças com idade inferior a dois anos, o termo paralisia cerebral é frequentemente utilizado, mas também pode ser devido a lesão cerebral (por exemplo, acidente vascular cerebral, trauma) ou esclerose múltipla.

• Atetose
Atetose pode variar de leve a disfunção motora severa. É geralmente caracterizada pelo desequilíbrio, movimentos involuntários do tônus muscular e uma dificuldade em manter uma postura simétrica. Quando a lesão ocorre em crianças com idade inferior a dois anos, o termo paralisia cerebral é frequentemente utilizado, mas também pode ser devido a lesão cerebral (por exemplo, acidente vascular cerebral, trauma).

• Deficiência visual
Visão é afetada por qualquer comprometimento da estrutura do olho, nervos ópticos ou vias ópticas, ou córtex visual do cérebro central.

• Deficiência intelectual

O Movimento Paraolímpico identifica deficiência intelectual como “uma deficiência, caracterizada pela limitação significativa tanto no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo como expresso em habilidades adaptativas conceituais, sociais e práticas”. Esta deficiência origina antes da idade de 18 “(Associação Americana de Pessoas com Deficiência Intelectual e Desenvolvimento, 2010)”. Os diagnósticos de funcionamento intelectual e comportamento adaptativo devem ser feitos através de medidas internacionalmente reconhecidas e administradas profissionalmente com reconhecido pelo INAS (Federação Internacional de esporte para para-atletas com deficiência intelectual).

O Movimento Paraolímpico adota as definições para os tipos de imparidade elegíveis como descritos na Classificação Internacional de Funcionalidade – CIF da Organização Mundial de Saúde, Incapacidade e Saúde (2001, Organização Mundial de Saúde, Genebra)

Cada esporte paraolímpico tem de definir claramente para que grupos eles forneçam oportunidades desportivas. Isso é descrito nas regras de classificação de cada esporte. Enquanto alguns esportes incluem atletas de todos os tipos de incapacidade (por exemplo, atletismo, natação), outros esportes estão limitados a um tipo de deficiência (por exemplo, Goalball, Boccia) ou uma seleção de tipos de imparidade (por exemplo, equestre, ciclismo).

A presença de uma deficiência elegíveis aplicável é um pré-requisito, mas não o único critério de entrada em um Esporte Paraolímpico particular.

Avaliação Atleta
Quando um atleta começa a competir, passa por um processo para verificar se preenche os critérios acima. Este processo é conduzido por um painel de classificação, um grupo de indivíduos autorizados e certificados por uma Federação Esportiva, para determinar a classe esportiva de um atleta. O processo inclui:

• a verificação da presença de uma deficiência elegíveis para o desporto
• avaliação física e técnica para exame do grau de limitação de atividades
• a atribuição de uma classe esporte
• a observação na competição

Quando submetidos a avaliação de atletas, um atleta só é classificado para um esporte.

Se um atleta não é elegível para competir em um esporte, este não questiona a presença de um comprometimento genuíno. Isso significa:

• que o atleta não tem uma incapacidade primária que o faz elegível para competir nesse esporte particular, ou
• que a gravidade da deficiência não ter um impacto significativo sobre as atividades necessárias nesse esporte em particular.

Devido à natureza progressiva de alguma deficiência e seu impacto sobre determinadas atividades, os atletas às vezes são classificados um número de vezes ao longo de sua carreira.

Quando o estado de saúde de um atleta muda, é necessário informar e pedir nova avaliação.

Para competir a nível internacional, um atleta deve ser classificado por um Painel de Classificação Internacional e sua decisão anula qualquer decisão de classificação anterior tomada por um painel de classificação nacional.

Como resultado dos sistemas de classificação específicos do esporte, cada esporte tem seus próprios classificadores. Por exemplo, um classificador IPC Ice Sledge Hockey só é certificado para classificar atletas para este esporte, e não para outros esportes.


Regras e regulamentos de classificação de Atletismo
Para assegurar uma concorrência justa e igual, todos os esportes paraolímpicos têm um sistema que garante que a vitória é determinada pela habilidade, aptidão, força, resistência, capacidade tática e foco mental, os mesmos fatores que explicam o sucesso no esporte para atletas capazes fisicamente.

Este processo é chamado de classificação e o seu objetivo é o de minimizar o impacto das deficiências na atividade (disciplina desportiva). Sendo, assim, a insuficiência não é suficiente. O impacto sobre o esporte deve ser provado, e em cada esporte paraolímpico, os critérios de agrupamento de atletas pelo grau de limitação da atividade resultante da deficiência são nomeados ‘Classes Sport’. Através de classificação, são determinados os atletas que são elegíveis para competir em um esporte e como os atletas são agrupados para a competição. Isto, de certa forma, é semelhante ao agrupamento de atletas de idade, sexo ou peso.

A classificação é específica do esporte, porque uma deficiência afeta a capacidade de executar em diferentes esportes em diferente medida. Como consequência, um atleta pode cumprir os critérios em um esporte, mas pode não cumprir os critérios em outro esporte.

Atletismo Classificação
Em Atletismo a classe esportiva consiste em um prefixo “T” para Track / Jumps e “F” para campo e indica para quais eventos se aplica a classe esportiva.

Classe Esportiva T / F11-13: A deficiência visual

As três classes de desporto 11, 12 e 13 são atribuídos a atletas com diferentes graus de deficiência visual, com classe esportiva incluindo 11 atletas com menor visão e classe esportiva incluindo 13 atletas com a melhor visão que satisfazem os critérios mínimos. Todos os atletas da classe T11, esporte executado com um corredor guia e estão com os olhos vendados. Os atletas da classe T12 também podem optar por correr com um guia.

Classe Esportiva T / F 20: deficiência intelectual
Atletas classificados nesta categoria são diagnosticadas com deficiência intelectual e atendem aos critérios de imparidade mínimo específicos do esporte em 1.500 m, salto em distancia ou arremesso de peso, respectivamente.

Classe Esportiva T32-38 e F31-38
As classes 30 são atribuídas a atletas com atetose, ataxia e / ou hipertonia. Os prejuízos normalmente afetam a capacidade de controlar as pernas, tronco, braços e mãos. Quanto menor o número, mais significativa a limitação de atividade.

Atletas nas classes desportivas 31-34 competem em uma posição sentada, por exemplo, nas corridas de cadeira de rodas ou usando uma cadeira de arremesso. Em contraste, os atletas das classes desportivas 35-38 mostram uma função melhor em suas pernas e melhor controle de tronco e, portanto, competem em pé, por exemplo, corrida, salto em distância ou arremesso.

Classe Esportiva F40-41
Os atletas com baixa estatura competem na classe F40 e F41. Atletas F40 tem uma estatura menor que F41.

Classe Esportiva T42-47 e F42-46
Essas classes desportivas são designadas para atletas com deficiências nos membros, como amputações. Nas classes desportivas 42-44 as pernas são afetadas por incapacidade e nas classes desportivas 45-47 os braços são afetados, por exemplo, amputações cima ou abaixo do cotovelo.

Por exemplo, um atleta de arremesso de peso com amputação acima do joelho compete na classe F42.
Todos os atletas nas classes 40s competem em pé e não usam uma cadeira de rodas.

Classe Esportiva T51-54 e F51-57:
As classes 50s incluem apenas os atletas que competem em cadeira de rodas. Mais uma vez, um número mais baixo indica uma superior limitação.

Os atletas que competem em eventos de corrida de cadeira de rodas para as classes T51-54 diferem em relação às suas funções de braço e do ombro, que são necessárias para empurrar a cadeira de rodas. Os atletas das classes T51-52 têm limitações de atividade em ambos os membros inferiores e superiores, por exemplo, devido a tetraplegia. Ao contrário de atletas nas classes T51-53, os atletas competem em T54 tem tronco parcial e função perna.

Para eventos de campo, os atletas que competem em cadeira de rodas em classe mais diferenciada.

Atletas das classes F51-54 têm funções de ombro, braço e da mão limitada em diferentes graus e nenhuma função de tronco ou perna. Este perfil é visto, por exemplo, com os atletas tetraplégicos. Atletas da classe F54 tem função normal em seus braços e mãos.

Nas classes de F55-57 no tronco e pernas a função aumenta, o que é uma vantagem nas modalidades de arremesso. Por exemplo, um atleta com uma amputação em uma perna, também poderia competir na classe F57.

Laudo Médicos para Atletas com deficiências visuais e físicas

É da responsabilidade do Atleta de enviar uma cópia do Laudo Médico e toda a documentação pertinente ao IPC Atletismo. O atleta deve trazer uma cópia deste documento cada vez que se apresenta para a classificação. Os laudos médicos estão disponíveis na página de classificação, sob regras e regulamentos.

Fonte: IPC – Comitê Paralínpico Internacional e CPB – Comitê Paralímpico Brasileiro

Empresas Parceiras
Unilehu